sexta-feira, dezembro 31, 2010

A Longeva Criptoméria

Hoje apercebi-me de que para além de se encerrar um ano, também se encerra uma década... Dez anos de uma assentada ficam assim encaixotados... Quando liguei a televisão (japonesa) para ver as notícias (do Japão) fiquei paradinho aí uns 10 minutos... É que estava atrasado para ir trabalhar no último dia de trabalho... Estava atrasado bem mais de 10 minutos... Mas que culpa tenho eu de que as criptomérias-japónicas (quase todas elas com mais de 10 anos) andassem a passear pelo plasma? E fiquei com esta imagem na minha memória... Será que daqui a 2.000 anos este pequeno rebento do cedro-japonês (Criptomeria japonica) irá ainda por cá andar como alguns dos seus avós aindam andam?

terça-feira, dezembro 28, 2010

O Flamingo no País das Maravilhas

Recordo que por volta de 2008 foi lançado em Portugal o Livro Vermelho das Espécies Ameaçadas... Só hoje me dei conta de uma pequena lacuna na listagem aí descrita... Acho que se esqueceram de incluir uma espécie... Hoje senti-me na pele dessa espécie em risco... Vi o risco, avaliei-o e até o cheguei a pisar... Mas alguém se adiantou... Sem se preocupar com proximidade de passadeiras, opiniões de penduras ou óbito de acompanhantes... Eu só desculpo porque deve ter saído o EuroMilhões... Aliás, deve ter mesmo saído (de fininho)... Fique pois registado que estão à beira da extinção o peão do passeio, o peão da via pública e mesmo o peão da passadeira... Julgar-me-á um flamingo num acidentado jogo da Rainha de Copas? x_x

domingo, dezembro 26, 2010

O Urso Que Não Cabia na Pia

Parece conto de Natal mas daqueles que é só para os mais pequenos... Contado ninguém acredita até porque quem vê diz que não dá para acreditar... Um lugarejo do tamanho de uma pia perdido no meio de nenhures... Um castrejo reluzente acabadinho de reconstruir com garras de urso... Um restaurante a merecer uma investigação... Umas lojinhas sem grande agitação... Gelo a degelar que só por si justifica o frio de rachar... Figuras rachadas pelo acto gelado de quem as partiu... Havia mesmo pias em número abundante e que a todos satisfez... Ursos é que, e apesar da minha má língua, nem vê-los...

sexta-feira, dezembro 24, 2010

quinta-feira, dezembro 23, 2010

quarta-feira, dezembro 22, 2010

segunda-feira, dezembro 20, 2010

quinta-feira, dezembro 16, 2010

TFM - 1ª Apresentação

Dez minutos medidos a cronómetro... Muito bem medidos e com direito a aviso bem sonoro... O quanto é que se pode dizer em dez minutos? O quanto é que se pode sofrer em dez minutos? Quantas perguntas é que podem nos colocar em dez minutos? (...) Uma pausa bem intencional, proposidamente medida e deliciosamente antecipada... Dizem-me que acabou por me escapar um sorriso pelo cantinho da boca... Eheheheheh... Assim acabei por não recorrer a um quebra-gelo programado mas acabei por gerir um momento de que os assistentes deverão guardar na memória... E devem ficar a perguntar-se o porquê daquela paragem... Esqueceu-se? Bloqueou? Está à espera de quê? Lolololol

sábado, dezembro 11, 2010

TFM - Actor Principal

Acordar cedo ao sábado não é para qualquer pessoa... Para mim já vai sendo hábito e hoje então fiquei com a certeza de que quero que seja um agradável hábito nos próximos tempos... Hoje tinha um primeiro encontro marcado... Enquanto que os céus permaneçam instáveis eu procuro a acção debaixo do toldo... Ou quase... Um programa que já conheço há mais de 10 anos... Alguns rostos que também já conhecia da outra perspectiva... Hoje tive a oportunidade de estar nos dois lados da perspectiva... De conhecer quem trabalha ali todos os dias... Humanos incluídos... E foi bom demais!!!

segunda-feira, dezembro 06, 2010

(noutra) Era (uma vez um museu)

Era uma vez um Museu... Numa outra era... Geológica de preferência... Um recanto para lá do arco junto a um restaurante conhecido... Uma outra tese em termos de teoria... Num fim de semana destes... Daqueles que, decorrido tanto tempo, já fazem quase parte do passado... Uma surpresa de museu.... Afinal... Não se tem que ir a Paris, a Frankfurt, a New York, a Tokyo ou a Londres... Menos espectacular, é certo... Mas com muito material de referência... Só é pena que as verbalizações em voz alta estraguem por completo o silêncio reinante... Outras eras.... Ou será que sou eu que já tenho aspecto de Amonite (Lytoceras fimbriatum) corada?

sábado, dezembro 04, 2010

quarta-feira, dezembro 01, 2010

Atracção Magnética

Todos temos taras... Umas mais acentuadas do que outras... Na maior parte das vezes totalmente inofensivas... Creio que uma das minhas taras cai nesta última categoria... Magnetos para o frigorífico com um perfil de requisitos mínimos bastante rigido... O que é que isto poderá significar? Que quando compro um magneto vejo-me sempre obrigado a comprar dois... Garanto que sem qualquer consumismo envolvido... Aliás, é bastante dificil preencher os tais requisitos mínimos... Quando encontro o tal par nem hesito com questões de preço... A raridade, procurada um pouco pelos 4 cantos do planeta, vale ouro... Há cerca de 15 dias os meus olhinhos voltaram a vibrar... Mas não há bela sem senão... Ando ainda à procura dos magnetos propriamente ditos... Falta-me a tal atracção magnética para unir ela (a zebra) e ele (o leopardo), eheheheheh

sábado, novembro 27, 2010

TFM - Tinta à Escala

Uma tese leva tempo a preparar, os meses passam e quando damos por nós ainda estamos a preparar... Surge logo o tal impulso de acelerar... Mas... Às vezes temos mesmo que fazer é uma pausa... Com a cabeça mais descansada e a vista mais arregalada é fácil surgirem-nos imagens novas no cérebro... Encolher, diminuir, esticar, comprimir... Aguarela sobre papel... Jacto de tinta sobre papel... Tinta sobre papel... Porque não experimentar tudo numa mesma peça... Ahhhh... Pois é... Comprimir, esticar, diminuir, encolher...

domingo, novembro 21, 2010

Fechado a Sete Chaves

Não podia perder a oportunidade de visitar um dos mais recentes aquários inaugurados no país... Às tantas da matina já lá estava eu à porta para entrar... Coisa boa neste tipo de atitude? A criançada (e os respectivos pais) ainda estavam a dormir... Tive o aquário só para mim... Com todo aquele silêncio foi fácil tentar apreciar as diferenças... Muito cénico, muito infantil... No final da visita não me pareceu ser um aquário que me tivesse impressionado... Com a excepção do (pequeno) cardume de peixes-cofre (Lactoria cornuta) que, assim de repente, me demonstraram uma certa familiaridade... Como que a perguntar-me: Por onde é que tens andado? Talvez já me conheçam de outras andanças... Se(e)a life? Get a life...

sábado, novembro 20, 2010

A Pedrada Como Nunca Vista

Em Lisboa arrepiei caminho e decidi não meter lá os pés... Uma lenda urbana diz que foram necessários muitos chineses para conseguir colocar a exposição de pé... Ou deitada... Ou seccionada, conforme os casos... Hummmm... Por ocasião de outros acontecimentos acabei por ceder à tentação... Não tive senão que me por a caminho com um nó no estomâgo... Uma pontinha de curiosidade pelo processo químico envolvido não chegou a ficar satisfeita... Gostei da exposição? Sim! Recomendo vivamente? Não! Apreciei ver cada vitrina e cada instalação? Decididamente, não! Sinto-me ambíguo quanto à posse e preservação de espécimes... Uns coleccionam bichos, outros pessoas... Não sei se é ética, se é moral, se é outra coisa qualquer... Eu que não sou de atirar a primeira pedra... Algo me parece estar muito mal...

quarta-feira, outubro 20, 2010

Bestiarion (Letra U)

Se penso que alguém me anda a envenenar os ouvidos então já sei qual é a receita... Se desconfio que em calhando não viverei para sempre então já sei qual a armadilha a colocar... Se me anda cá a parecer que me andam a enganar na idade então basta atiçar-lhes com o chamariz... Do cálice sagrado retiro a memória da inocência personificada... Bahhh... Mesmo que arranjasse uma vinha logo a besta e desonrava-ma...

domingo, outubro 17, 2010

Bestiarion (Letra O)

Trata-se da história de um rochedo perdido no mar... Quando vejo a disputa de um pedaço de terra no meio de nenhures fico preocupado... Não me importa que exista esforço de parte a parte para diminuir a distância entre os dois povos... Preocupa-me antes os esforços visíveis de afastar as duas gentes... Outras gentes dizem para não me preocupar e que, no meio desta miséria, deveria era preocupar-me com umas outras gentes... Eu se calhar até concordo... Poderia até dizer que está na altura da intervenção rápida dos intermediários entre a terra e o céu... O problema é que estes mensageiros são bestas sedentas de sangue e senhores do equívoco...

sábado, outubro 16, 2010

Bestiarion (Letra I)

Existe um certo tipo de conversas que me irritam... Se estiver com boa disposição até posso ser inteligente e apreciá-las com sarcasmo... Na maior parte das vezes sinto-me simplesmente impaciente... Há conversas que regressam vezes sem conta mesmo quando as afundamos no meio do oceano... Mesmo as que não emergem dão de vez em quando sinais de vida... Às vezes então só me apetece pegar no final da conversa... Mas sei que tenho que ter o máximo de cuidado ao puxar o assunto... Porque se estico demasiado já sei o que vai acontecer... Vou esticar a tal ponto que... Se estiver a dar a volta ao mundo... Quando der por mim está a besta a abocanhar-me à traição pelas costas...

quinta-feira, outubro 14, 2010

Bestiarion (Letra E)

Eu até quero e até admito a dependência obcessiva... Contrato um artigo e contrato a sua entrega... Tenho todo o tempo do mundo e não me preocupam os reembolsos... Eu até tenho caixa de correio, da mesma maneira que alguns milhões de portugueses também têm... E conto que ela seja usada para este tipo de coisas, como alguns milhões de portugueses também desejam... Porque é que isto e aquilo? E porque não aqueloutro? Não me apetece de modo algum é responder às vossas inadequadas perguntas... Vão perguntar a outro... Eu vou fingir que (não) dou ouvidos a bestas e prefiro que me considerem um cliente riscado da vossa lista...

segunda-feira, outubro 11, 2010

Bestiarion (Letra A)

Que queres que eu te faça? Já desapareci. Já pousei o auscultador. Já deletei o teu endereço. Já não revejo as fotografias. Já não frequento aqueles restaurantes. Já mudei de centro comercial. Já me aconteceu ter que dar meia volta. Já não te falo carinhosamente nos meus pensamentos. Já não me incomoda estar nos sitos que partilhei. Já dei mais do que tempo ao tempo... Então porquê essa caratonha? Então porquê assistir vezes sem conta ao fenómeno avestruz? Que queres que eu te faça? Que me resta ainda fazer? Lutar contra a besta e morrer de vez?

terça-feira, outubro 05, 2010

O Aniversário (re)Público

São cem anos e por isso mesmo fala-se de centenário nas celebrações da República... O que me incomoda sobremaneira é a falta de alusão aos trágicos acontecimentos no Terreiro do Paço... Eu até nem sou monárquico mas incomoda-me de alguma maneira este silêncio... Mas ainda mais importante não é o que aconteceu há cem anos atrás... Sem tantos anos há algumas pessoas (menos públicas) que também celebram aniversários... E uma delas obrigou-me a levantar-me de madrugada e a estar a desenhar com lápis de cor durantes horas a fio... Mais do que uma senhora na flor da idade vestida (quase só) com um barrete vermelho... Eu acho que um dos verdadeiros símbolos da liberdade é o voo das aves... ^-^

sábado, setembro 25, 2010

Sushi à Americana

Este fim de semana tive a minha casa invadida por ilustres ilustradores... Na verdade eram só quase ilustres ilustradoras, eheheheh... Um dos desafios tinha sido o de se experimentar a técnica do pó de carvão... Pincéis de todos os tipos de pêlo, carvão e grafite nas suas mais diversas formas, lixas na suas mais finas gramagens... Timidamente algumas avançaram para trabalhos bem completos... E de facto não foram só ossos de Moeritherium lyonsi pois houve também gengibres e peixes-luas... Mesmo os desenhos com menos horas de trabalho ficaram muito interessantes... E para terminar o desfazer da promessa de shushi japonês com umas Lulas (que afinal eram Potas) à Americana ...

quinta-feira, setembro 23, 2010

O Despertar d(com) a Aranha

Ando sempre a recordar um episódio interessante com uma aranha gigante, que decorreu na minha estadia em Yakushima, uma ilha sub-tropical lá mesmo no Sul do Japão... O relato do meu despertar com a aranha na cama já foi contado noutro sítio... Mas tenho andado intrigado com a classificação do animal... Enorme, quase que não cabia numa mão... Peluda como uma tarântula... E, segundo a informação obtida verbalmente no local, não sendo venenosa... Depois de investigar um pouquinho acho que se trata de uma Aranha-caranguejo (Heteropoda venatoria), também conhecida como Aranha-das-casas... Acho que foi mesmo esta...